Economia: Inflação oficial acelera e fechou em 0,22% o mês de abril diz IBGE

Publicidade

Publicado em:

10 de
maio

Autor:

Globo.com

Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), considerado a inflação oficial do país, ficou em 0,22% em abril, registrando uma aceleração em relação aos 0,09% de março, segundo divulgou nesta quinta-feira (10) o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). No acumulado no ano está em 0,92%, o menor nível para os 4 primeiros meses do ano desde a implantação do Plano Real, e 1994.


Em 12 meses, a inflação acumulada subiu para 2,76%, depois de registrar 2,68% nos 12 meses imediatamente anteriores. Mesmo assim, segue bem abaixo do piso da meta do Banco Central, que é de 3%, mantendo aberto o espaço para o Banco Central seguir com os planos de cortar mais uma vez os juros básicos, atualmente em 6,5% ao ano.


“Já são dez meses em que a taxa tem estado abaixo de 3%”, destacou o gerente de Índices de Preços do IBGE, Fernando Gonçalves. “Metade do índice ficou com saúde e cuidados pessoais. O maior impacto foi dos medicamentos”, resumiu.



IPCA em abril:


Taxa no mês: 0,22%
Acumulado no ano: 0,92%,
Acumulado em 12 meses: 2,76%


Projeções e meta do Banco Central
O resultado de abril ficou abaixo do esperado pelo mercado. Pesquisa da Reuters apontou que a expectativa de analistas era de alta de 0,28%, acumulando em 12 meses alta de 2,82%. A meta de inflação é fixada pelo Conselho Monetário Nacional (CMN). Para alcançá-la, o Banco Central eleva ou reduz a taxa básica de juros da economia (Selic), atualmente em 6,5% ao ano.


Para cálculo do índice do mês foram comparados os preços coletados no período de 30 de março a 27 de abril de 2018 (referência) com os preços vigentes no período de 02 de março a 29 de março de 2018 (base). Para a composição do IPCA de maio, o pesquisador adiantou que haverá pressão do aumento nas contas de luz, já que está em vigor a bandeira amarela, que acrescenta R$ 1 a cada kWh consumido.


“Além disso, teremos ainda a inclusão [no levantamento mensal feito pelo IBGE] de três novas áreas que são Rio Branco, no Acre, São Luís, no Maranhão, e Aracajú, em Sergipe”, destacou Gonçalves. Ele esclareceu que o ingresso destas três áreas na pesquisa irá redistribuir o peso das regiões Norte e Nordeste na composição do índice nacional.



Portal: Globo Expresso.Com


Compartilhar